3 coisas que toda newsletter deveria ter

Pode ser difícil criar a newsletter perfeita, pois existem muitas variáveis em jogo, e as vezes não fica claro o porquê de algo gerar resultados ou perca de assinantes. De qualquer forma, trabalhar o envio de newsletters é uma das melhoras formas de ajudar no crescimento da sua empresa e na comunicação com os usuários.

3 coisas que toda newsletter deveria ter

Se você está pensando em começar a enviar newsletter para os seus clientes, ou melhorar a que você já possui, a seguir falamos sobre 3 coisas que toda newsletter deveria ter.

 

1 – Um bom título no assunto

A linha de assunto pode ser a parte mais importante da sua newsletter. Uma pesquisa da Convince & Convert mostrou que 35% das pessoas abrem seus e-mails baseados no assunto.

Use uma linguagem adequada. Não faça com que a sua newsletter pareça spam. Evite usar frases associadas a propagandas, como “de graça”, “compre agora” e “oferta especial”. Esse tipo de linguagem não é adequada para o assunto do e-mail e só vai diminuir o alcance na sua base de dados.

Qual o tipo de linguagem a ser usada então?

A Mailchimp, uma empresa especializada em envio de newsletter, analisou a taxa de abertura de mais de 40 milhões de e-mails, e descobriu que assuntos que vão direto ao ponto e descrevem o conteúdo do e-mail tem uma taxa de abertura melhor. Alguns chegam a ter uma taxa de abertura de até 87%.

Um dos conselhos da Mailchimp é “não confundir newsletter com e-mails promocionais”. Ninguém quer assinar uma newsletter apenas para receber e-mails com “80% DE DESCONTO SOMENTE HOJE, CLIQUE AGORA!!!”.

Outra dica é manter o assunto com cerca de 30 carácteres, isso vai garantir que o seu assunto seja otimizado para dispositivos móveis, já que esse limite de carácteres é o padrão da maioria dos servidores de e-mail. Considerando que cerca de 40% dos usuários confere seus e-mails em seus celulares, esse é um grande benefício.

E-mails com assuntos personalizados também são uma boa opção, eles podem aumentar cerca de 22% nas taxas de abertura.

Recapitulando: Assuntos que vão direto ao ponto, curtos e personalizados são a melhor forma de trabalhar.

 

2 – Imagens

Todo mundo gosta de imagens. Não importa o tanto que você gosta de ler, se você abrir um e-mail e se deparar com uma newsletter com 4 mil palavras, você provavelmente vai clicar em “voltar”.

Mas se você abre uma newsletter e imediatamente se depara com uma imagem chamativa, você irá parar, olhar aquela imagem e continuará a ler o e-mail de forma natural.

Ao selecionar as suas imagens, procure as que sejam relevantes ao seu tipo de conteúdo. Elas devem se integrar ao seu conteúdo para que exista um senso de continuidade conforme o seu consumidor avança na leitura. Imagens sem relação vão tirar a atenção do usuário da sua proposta e gerar uma experiência de leitura ruim.

Não esqueça de adicionar “alt text” em todas as suas imagens. O alt text é um texto que aparece caso a imagem não seja exibida. Muitas plataformas de e-mail não exibem imagens por padrão, então é importante ter o alt text ativado para que algo apareça no caso de as imagens não carregarem. Isso é mais do que necessário caso você use imagens nas suas call to actions, pois você não quer que as suas call to actions desapareçam. Falando nelas…

 

3 – Call To Actions

Vamos começar com um conselho: escolha uma call to action principal para toda a newsletter.

Não tem problema em ter mais de uma call to action por e-mail, mas a sua newsletter deve refletir o seu objetivo principal. As outras CTAs devem ser menores e com menos destaques.

Uma CTA forte deve ser agradável e chamativa, mas também deve descrever o seu proposito sem dúvidas. Ao invés de dizer “clique aqui”, a sua CTA deve descrever o que vai acontecer quando alguém clicar sobre ela.

Veja um exemplo simples de CTA

 

CTA-example-2

 

A cor é agradável e tem uma mensagem clara “Siga e compartilhe”, que é reforçada pelos ícones das redes sociais logo abaixo.

Algumas CTAs como “Veja seu relatório personalizado”, “Leia a história” e “Baixe o e-book” são bons exemplos de como dar uma instrução sem ser muito invasivo.

Tenha em mente que não existe uma formula mágica para criar uma call to action. Uma CTA efetiva varia de indústria para indústria, e o que funciona bem para um tipo de empresa pode não funcionar para outra. É importante conduzir alguns testes para descobrir qual CTA é perfeita para você.

O formato da sua CTA também vai depender da sua área de atuação e do seu tipo de newsletter. Ela pode ser um botão ou apenas um texto, mas de forma geral, botões sempre funcionam melhor do que texto.

Botões são grandes, coloridos e mais chamativos do que apenas um link. O que parece melhor?

call-to-action

 

As CTAs também escondem uma oportunidade nos dispositivos móveis, quanto maior o botão, mais fácil de clicar na tela.

 

4 – Bônus: Algo que toda newsletter deveria fazer

Agora que você já sabe o que toda newsletter deveria ter, existe uma coisa que toda empresa deveria fazer com as suas newsletter: Testar!

O e-mail marketing envolve uma infinidade de variáveis que podem ser manipuladas e otimizadas. É por isso que, independente da sua área, é importante que você teste, teste, teste e teste mais um pouco.

Os três pontos que falamos nesse texto são importantes, mas você nunca saberá o que irá funcionar para a sua empresa. Talvez os seus leitores respondam melhor a uma newsletter sem imagens e com um ótimo texto. Talvez longos títulos resultem em um melhor acesso pra você. Você nunca saberá ao certo se não começar a testar.

Faça os testes e analise qual tipo de newsletter está te trazendo um melhor resultado, e a partir disso começa a moldar o estilo ideal para os seus consumidores.

 

Fonte: WebPageFX

You may also like...