Confira as regras da Black Friday para os marketplaces

Faltam poucos dias para a Black Friday 2017 e muitos lojistas ainda estão desinformados sobre como os principais marketplaces vão atuar durante essa data. Buscando cada vez mais mudar a imagem de “Black Fraude”, desde o ano passado a maioria dos marketplaces impôs algumas regras para os seus lojistas. Essas regras visam a prática do melhor preço possível pelos vendedores, atraindo clientes e gerando muitas vendas.

Confira as regras da Black Friday para os marketplaces

Abaixo separamos as principais regras que foram utilizadas em 2016 e podem ser utilizadas novamente nesse ano, então é bom se preparar:

 

Cnova (Casas Bahia, Extra e Ponto Frio)

  • No ano passado, a Cnova desativou qualquer alteração de preço a partir da véspera da Black Friday. Esse bloqueio impedia, até mesmo, a diminuição de valores.
  • Outra alteração foi em relação a planilha de frete, que deveria ser enviada diretamente no portal da Cnova.

 

B2W (Submarino, Americanas e Shoptime)

  • O preço de todos os produtos foi baixado automaticamente para o menor dos últimos 60 dias. Quem não quisesse vender aquele preço deveria pausar o anúncio.
  • Também foi proibido aumentar o preço a partir da véspera da Black Friday, só era permitido baixar os preços.
  • Os lojistas não podiam anunciar um produto com um preço menor no seu site em relação ao da B2W.
  • O frete foi proibido de ser manipulado.
  • Os pedidos não poderiam ser entregues depois do prazo estipulado.
  • Proibido vender produtos sem estoque real.
  • A loja deveria oferecer atendimento pelo SAC durante todo o período do evento

 

Walmart

  • Os preços dos lojistas do Walmart também foram alterados para o menor dos últimos 60 dias.
  • Quem não concordou com a baixa nos preços precisou zerar o estoque para não participar.

 

Mercado Livre

  • O Mercado Livre apenas impediu que seus lojistas aumentassem o preço para a Black Friday.
  • Para esse ano, eles já anunciaram que os preços serão congelados a partir do dia 20/11 para quem decidir participar do evento.
  • Os pedidos devem ser enviados em até 24 horas.
  • Os lojistas deverão se adaptar a extinção dos templates. Aqueles que continuarem usando terão queda na relevância.
  • Realizar atendimento em tempo real.
  • Manter uma boa reputação como vendedor.

 

Dafiti

  • A Dafiti não impôs restrições aos seus lojistas, mas orientou que não aumentassem o preço e depois oferecessem descontos dando a ilusão de preço mais baixo, a famosa Black Fraude.
  • Mas algumas regras foram estabelecidas para dar mais destaque aos lojistas que decidissem aderir a Black Friday.
  • Desconto mínimo oferecido deveria ser de 25%.
  • Os produtos deveriam trazer o menor preço ofertado para terem um bom posicionamento.

 

Netshoes

  • Porcentual mínimo de desconto deveria ser acima de 20%
  • Para ganhar o selo de Black Friday na Netshoes, o preço dos produtos deveria ser o menor dos últimos 90 dias.

 

Além das regras instituídas pelos marketplaces, é sempre bom lembrar que durante todo o mês de outubro o Procon estará monitorando falsas promoções para a Black Friday. Isso inclui lojas que aumentaram preços no começo do mês para abaixar na data, criando ações enganosas para seus clientes.

O Procon também divulgou uma lista com as lojas com maiores reclamações durante a Black Friday 2016 e a sua lista negra atualizada de sites que devem ser evitados.

You may also like...