B2B, B2C, C2C: Entenda de uma vez os tipos de e-commerce

O mundo do comércio eletrônico é vasto, ao mesmo tempo em que ele te permite realizar uma compra em uma grande loja como a GSN Suplementos, você também pode comprar das mãos de um estranho em plataformas como a OLX ou o marketplace do Facebook.

B2B, B2C, C2C: Entenda de uma vez os tipos de e-commerce / comércio eletrônico

Essas diferenças formam os mais variados tipos de e-commerce, cada um com suas próprias características e formas de se relacionar com o seu consumidor final.

Assim, foram criadas siglas com o propósito de explicar o tipo de comércio feito por cada loja online e, para entender melhor isso tudo, vamos te explicar cada uma delas:

B2B (Business to Business)

Em uma tradução livre “de empresa para empresa”, ou seja, nesse modelo temos duas empresas que fazem negócio entre si.

Portanto, esse tipo de comércio eletrônico concentra fabricantes, atacadistas, distribuidoras, importadoras e indústrias, por exemplo:

  • Um importador que vende para lojistas;
  • Um fabricante de peças automotivas que vende para montadoras.

A grande diferença desse modelo de negócio está na forma como a venda é realizada. Normalmente os produtos são comprados em grandes quantidades e descontos são negociados entre as empresas, tornando o relacionamento mais próximo e longo.

Ou seja, é possível estreitar esses relacionamentos aumentando a confiança e consequentemente a revenda.

Exemplo de loja B2B.

B2C (Business to Consumer)

Esse é o modelo mais clássico de vendas no comércio eletrônico, feito “de empresa para cliente”.

Aqui a venda é feita diretamente para o cliente final, ou seja, uma pessoa física que vai consumir o produto ou serviço.

Por exemplo:

  • Quando um cliente compra ingresso de cinema online;
  • Quando uma mãe compra papel de parede para decorar o quarto do filho.

São vendas simplificadas onde não existe tanta burocracia durante o processo.

Nessas transações o relacionamento com o cliente tende a ser mais curto e pontual, com clientes fazendo compras recorrentes de acordo com o tipo de produto vendido pela loja ou a necessidade do próprio cliente.

Para que os clientes retornem e o fluxo de (re)venda seja contínuo é necessário trabalhar técnicas para estreitar esses relacionamentos e entregar um ótimo serviço ao cliente.

Um exemplo de loja B2C é a Space Tennis.

C2C (Costumer to Costumer)

Lembra do exemplo que demos no início do nosso texto sobre pessoas que vendem em plataformas como a OLX? Então, é aqui que elas se encaixam, uma venda de pessoa física para pessoa física, ou seja, “de consumidor para consumidor”.

E como exemplificamos, esse tipo de e-commerce não funciona “sozinho”, ele precisa de algum tipo de plataforma ou empresa para intermediar as negociações entre os consumidores.

Os exemplos mais famosos são:

  • OLX;
  • Anúncios em Redes Sociais;
  • Ebay.

Por consequência, como se trata de um mercado informal, os produtos vendidos nesse modelo podem variar dos usados aos novos, com preços e formas de envio definidos pelos próprios consumidores, existindo flexibilidade para negociar esses valores e maior proximidade entre as duas partes.

B2B2C (Business to Business to Costumer)

Como resultado do agrupamento dos modelos B2B e B2C, esse tipo de e-commerce forma uma cadeia de vendas de “empresa para empresa para consumidor”.  Explicando melhor: um fluxo onde uma empresa vende para uma empresa em um modelo B2B, e essa outra empresa vende para o consumidor final em um modelo B2C.

Dessa forma esse processo existe para não excluir os varejistas do processo de compra.

Por exemplo: caso o cliente compre diretamente de um fabricante, os lojistas que trabalham com aquela marca serão excluídos do processo de compra, causando conflito entre as empresas.

Portanto dentro desse modelo os fabricantes conseguem o apoio dos varejistas para vender e divulgar seus produtos, formando parcerias dentro do comércio.

Igualmente no e-commerce também podemos citar os marketplaces como modelos de comércio B2B2C, pois os lojistas estão utilizando uma plataforma de terceiros (outra empresa) para vender seus produtos, gerando receita tanto para o varejista quanto para o marketplace, que recebe uma porcentagem das vendas.

B2E (Business to Employee)

No modelo B2E as compras são realizadas entre empresa e funcionário em um modelo bem parecido com o B2C, mas nesse caso o consumidor final deve ser colaborador da empresa.

Geralmente, as empresas estabelecem condições especiais para que os funcionários comprem seus produtos, como descontos e quantidade de produtos que podem ser adquiridos.

Por exemplo: uma loja que vende objetos de decoração e oferece 20% de desconto em todos os produtos para seus funcionários, limitado a duas compras por mês.

No comércio eletrônico as vendas B2E podem funcionar por meio de um login especial para funcionários ou com o uso de cupons de desconto.

B2G (Business to Government)

Esse é nome do modelo quando a empresa vende para o governo. Normalmente, para vender nesse modelo, as empresas devem passar por um processo de licitação ou possuir contratos especiais.

Podemos citar como exemplo lojistas que oferecem materiais de escritórios para gabinetes governamentais ou empresas de tecnologia que prestam serviço.

Esperamos que o nosso post tenha esclarecido todas as suas dúvidas sobre os principais tipos de e-commerce. Para ficar por dentro de todas as nossas novidades se cadastre na nossa newsletter.

You may also like...